Produção Cloud Native: o próximo nível de redução de carbono



As emissoras e os principais produtores de conteúdo estão indo longe e rápido o suficiente para reduzir seus impactos no processo de mudança climática? Um novo relatório "Vídeo não deveria custar a terra" sugere que não.


Embora muitas organizações de mídia estejam começando a utilizar a nuvem para fluxos de trabalho de edição e pós-produção - em parte por causa de seus benefícios para a sustentabilidade - elas podem ir mais longe usando soluções totalmente nativas da nuvem.


Essa é a conclusão de um novo relatório do desenvolvedor de sistema de edição baseado em navegador Blackbird. Em particular, o relatório destaca as limitações das soluções híbridas que não são projetadas para funcionar como cloud native. Híbrido são os termos do relatório para a tecnologia que permanece no local da empresa, mesmo se os aplicativos forem acessados ​​remotamente.


“Embora exijam menos infraestrutura física, a maioria das soluções padrão baseadas em nuvem precisam de hardware extra para se conectar ao sistema e produzir a partir dele”, afirma o relatório. “Eles também usam infraestrutura virtual oculta na nuvem, o que consome quantidades significativas de energia”.


Para auxiliar nisso, a Blackbird contratou a consultoria ambiental Green Element a fim de comparar as emissões de carbono de fluxos de trabalho híbridos no local e em nuvem com um fluxo cloud native.


Conforme esperado, o modelo on-premises, que inclui deslocamentos até o local e equipamentos de produção neste ambiente, produz emissões muito mais altas do que qualquer um dos fluxos de trabalho da nuvem - em um dado cenário, podendo chegar a consumir até 10x mais do que uma solução nativa da nuvem.


O relatório também sugere uma lacuna expressiva entre os dois modelos de produção remota. As emissões da solução nativa da nuvem são menos da metade do modelo híbrido da nuvem em um cenário de evento ao vivo. Essa lacuna aumenta drasticamente com o tempo, de modo que durante a produção de um evento ao vivo de 14 dias, por exemplo, a solução híbrida produz 6x mais carbono do que uma que seja capaz de trabalhar usando pouca energia (ou largura de banda menor).


Embora o relatório não os indique, as descobertas deste relatório parecem condenar os sistemas de edição remota Avid e Adobe (combinados com soluções PCoIP como a Teradici), ao mesmo tempo que atribuem um grande impacto à Blackbird.


A empresa acredita que sua solução pode oferecer “economia significativa de energia e emissões” quando comparada à maioria das plataformas rivais de produção de vídeo baseadas em nuvem.


As credenciais verdes estão se tornando cada vez mais uma prioridade quando se trata de selecionar um parceiro ou solução de produto ao invés de outro - e a Blackbird está claramente confiante em manter sua postura.



Elevando a prioridade


Os cálculos do custo do carbono para a produção de vídeo são altos. Albert, o braço de sustentabilidade do BAFTA, estima que cada hora de TV produzida resulta no equivalente a 9,2 toneladas de CO2. E cada tonelada de dióxido de carbono resulta na perda de 3 m² de gelo marinho.


Assistir apenas a vídeos online gera 300 milhões de toneladas de CO2 por ano, o equivalente a 1% do total das emissões globais, de acordo com a BBC.


O relatório diz que a maior parte das emissões de carbono vem da energia necessária para alimentar o streaming e os dispositivos usados ​​para visualização do conteúdo, bem como das redes de distribuição e centros de dados que suportam streaming.


A consciência do problema está aumentando e a indústria está começando a agir. O Google se comprometeu a ficar totalmente livre de carbono até 2030, garantindo que seus datacenters sejam alimentados por energia renovável. A Sky pretende atingir a neutralidade de carbono em todas as suas atividades de produção de TV até 2030. Provedores de conteúdo, como a gigante esportiva global IMG, fizeram declarações de intenções semelhantes.


Entre as plataformas de VOD, a Amazon se comprometeu a ser uma rede de carbono zero até 2040 e a Netflix está vinculando seu consumo de energia com certificados de energia renovável e compensações de carbono.



Traduzido e adaptado de Streaming media. PENNINGTON, Adrian. Disponível em: <https://www.streamingmedia.com/Articles/ReadArticle.aspx?ArticleID=145693>. Acesso em 19 mar. 2021.


Aproveita e inscreva-se já na quarta edição do Cloud Conference Day e não fique de fora de muito conteúdo exclusivo e networking:


INSCREVA-SE JÁ

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo